Eventos de Brasília

Programação do Cinema Le Corbusier – Maio 2019

15/05/19

Compartilhe:

No marco do Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade 2019, o Cine Le Corbusier da Embaixada da França e o Instituto Francês do Brasil farão, no mês de maio, uma “Mostra de dois documentários sobre os campos de contrações nazistas e o extermínio de judeus na Europa”.

Quarta-feira, 15 de maio, às 19h

• Bárbara em Cena (Rio de Janeiro - 2012)
De Ellen Ferreira.
Documentário. 20 min. Livre


Sinopse
Mergulho cinematográfico na vida da professora, tradutora, e crítica teatral mais famosa do Brasil, Bárbara Heliodora. Retrato inédito construído por meio de depoimentos da própria Bárbara, de amigos e de importantes profissionais das artes e da comunicação.

• Marceline. Uma mulher. Um século (França, Holanda -2018)
De Cordelia Dvorák.
Documentário. 58 min.


Sinopse
O filme é um encontro com a escritora e cineasta francesa Marceline Loridan-Ivens (1928-2018), companheira do holandês Joris Ivens (1898-1989), com quem dividiu a vida e o trabalho no cinema. Além da parceria, Marceline fala sobre como sobreviveu ao campo de concentração nazista de Auschwitz, para onde foi mandada com o pai. O documentário tem ainda bastidores de trabalhos do casal, como Paralelo 17 (1968) e a série Como Yukong Moveu as Montanhas (1976).

Quarta-feira, 22 de maio, às 19h 

As Quatro Irmãs (Les Quatre Soeurs) - PARTE 1 (França - 2017)
De Claude Lanzmann.
Documentário. 2h22 min.

Claude Lanzmann retorna ao destino de Ruth Elias, Ada Lichtman, Paula Biren e Hanna Marton: quatro mulheres que experimentaram o horror dos campos de extermínio alemães. Ele as entrevistou enquanto preparava Shoah (filme do mesmo diretor) e hoje dedica um filme a cada uma delas. Como em Sobibor ou Le Dernier des Injustes, ele coloca em perspectiva essas histórias filmadas há trinta anos para entender os processos postos em prática pelo regime nazista para exterminar os judeus da Europa.

• O Juramento de Hipócrates (Le Serment d'Hippocrate)
De Claude Lanzmann.
Documentário. 90 min.

Sinopse
Ruth Elias tinha 17 anos em março de 1939, quando os nazistas ocuparam a Tchecoslováquia. Sua família se escondeu por três anos em uma fazenda, antes de ser denunciada e deportada para o campo de Theresienstadt em abril de 1942. No inverno de 1943, Ruth descobre que está grávida. Ela é enviada para Auschwitz. Em junho de 1944, grávida de oito meses, ela conseguiu se juntar a um grupo de mil mulheres enviadas a Hamburgo para limpar os escombros de uma refinaria bombardeada.

• A Pulga Alegre (La Puce Joyeuse)
De Claude Lanzmann.
Documentário. 52 min.

Sinopse
No dia da invasão alemã da Polônia, todos os homens de Wieliczka, perto de Cracóvia, foram reunidos pelos alemães em uma floresta próxima e executados. Os corpos cobertos de sangue foram organizados por seus executores em um semicírculo, com os pés unidos e voltados para fora, como uma representação artística. Portanto, Ada Lichtman tem apenas uma pergunta em mente: não "Eu vou sobreviver?" mas "Qual será minha morte?" Enviada a Sobibor, onde mais de 250.000 judeus foram exterminados nas câmaras de gás, ela desempenhou um papel decisivo na revolta de 14 de outubro de 1943. Ela é uma das 50 sobreviventes.

Quinta-feira, 23 de maio, às 19h 

As Quatro Irmãs (Les Quatre Soeurs) - PARTE 2 (França - 2017)
De Claude Lanzmann.
Documentário. 2h12 min.

Claude Lanzmann retorna ao destino de Ruth Elias, Ada Lichtman, Paula Biren e Hanna Marton: quatro mulheres que experimentaram o horror dos campos de extermínio alemães. Ele as entrevistou enquanto preparava Shoah (filme do mesmo diretor) e hoje dedica um filme a cada uma delas. Como em Sobibor ou Le Dernier des Injustes, ele coloca em perspectiva essas histórias filmadas há trinta anos para entender os processos postos em prática pelo regime nazista para exterminar os judeus da Europa.

• Baluty
De Claude Lanzmann.
Documentário. 64 min.

Sinopse
Ainda há muitos arquivos, diários e até algumas fotos do gueto de Lodz, mas muito poucos testemunhos de sobreviventes. O de Paula Biren é ainda mais excepcional, pois ela fazia parte da força policial feminina do gueto. Dentre centenas de guetos espalhados pelos campos poloneses, o de Lodz foi o mais duradouro. Foi dirigido com mão de ferro por Chaim Mordechai Rumkowski, presidente do conselho de anciãos, chamado de "Rei Chaim", um homem convicto de que poderia salvar parte da comunidade transformado-os em força de trabalho a serviço dos alemães.

• A Arca de Noé (L'Arche de Noé)
De Claude Lanzmann.
Documentário. 68 min.

Sinopse
Em 1944, quando os nazistas começaram a deportar judeus da Hungria, Rudolf Kastner, que comendava o comitê de resgate, tentou negociar com Eichmann. Ele ofereceu dois mil dólares por judeu, aumentando os preços até que Eichmann preferisse dinheiro à morte. Conclui-se que um transporte especial partiria de Budapeste para Bergen-Belsen e depois continuaria para a Suíça. Hanna Marton fazia parte disso. 1.684 judeus escaparam da morte. No mesmo momento, 450.000 judeus húngaros morriam nas câmaras de gás de Birkenau.

Quarta-feira, 29 de maio, às 19h 

La Bohème
Dir. Claus Guth.
Maestro: Gustavo Dudamel.
Ópera em quatro atos.
Libreto de Luigi Illica e Giuseppe Giacosa.
Cantada em italiano.
Encenada pela primeira vez em 1840.
Ópera Nacional de Paris.
Elenco: Nicole Car, Ainda Garifullina, Atalla Ayan e Artur Rucinski.
Duração: 2h10.

Inspirado em Scènes de la vie de bohème, de Murger, esta ópera coloca em cena jovens artistas que vivem na penúria e que sonham com outra vida. Puccini nos oferece, por meio da relação entre o poeta Rodolfo e a frágil Mimi, uma história de amor comovente e algumas de suas mais belas páginas no universo da ópera. A montagem dessa nova produção situa o drama em um futuro sem esperança, no qual o amor e a arte se tornam o derradeiro caminho para a transcendência.